Para Padmé

Mas Padmé me mostrou aquilo que eu não ousava sonhar. Aquilo que eu não sonhava ser possível, me mostrou que todos os textos melosos, por pior que sejam, não seriam realidade.

Estou, além do possível, perdidamente apaixonado.

E que fodam-se a rima e a métrica, nada melhor que Padmé.


— J. Octávio,
noite de domingo, 9/3/2008,
totalmente embriagado.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s